Monjauro: entenda como age o princípio ativo do emagrecedor americano

Especialista em Farmacologia do CEUB compara benefícios do medicamento e faz recomendações para cada tipo de tratamento

“Primo-irmão” do Ozempic (semaglutida), o medicamento americano Mounjaro virou trend nas redes sociais após celebridades relatarem o uso para o emagrecimento rápido. A droga, produzida pela farmacêutica Eli Lilly e aprovada pela Anvisa em 2023 para tratamento do diabetes tipo 2 no Brasil, atua de forma semelhante ao Ozempic em casos de diabetes tipo 2, obesidade e sobrepeso. Danilo Avelar, doutor em Farmacologia e professor de Enfermagem do Centro Universitário de Brasília (CEUB), esclarece dúvidas sobre o medicamento, seu princípio ativo e efeitos colaterais.

Confira entrevista, na íntegra:

Qual é o principal mecanismo de ação do Mounjaro (tirzepatida)?

DA: O Mounjaro atua como um análogo do GLP-1 (peptídeo semelhante ao glucagon) e GIP (polipeptídeo insulinotrópico dependente de glicose). Esses hormônios são responsáveis por estimular receptores que aumentam a produção de insulina em resposta à glicose. Além disso, o medicamento retarda o esvaziamento gástrico, prolongando a sensação de saciedade e contribuindo para o controle glicêmico. 

Quais são os principais achados clínicos sobre a eficácia do Mounjaro no controle da glicemia e na perda de peso?

DA: Estudos clínicos mostraram que o Mounjaro proporciona melhora substancial no controle da glicemia em indivíduos com diabetes tipo 2 e redução expressiva no peso corporal em pacientes com sobrepeso e obesidade. Isso porque, ao combinar ação sobre o GLP-1 e o GIP, retarda a digestão de carboidratos, resultando em uma sensação prolongada de saciedade. A diminuição significativa na ingestão calórica leva à perda de peso. Comparativamente a outros medicamentos, o Mounjaro se destaca pela eficácia em ambas as áreas.  

Existe alguma evidência de que o Mounjaro possa ajudar na prevenção de outras condições além do diabetes tipo 2, como o Alzheimer?

DA: Além de seu papel no controle glicêmico e na redução de peso, há estudos em andamento sobre o potencial do Mounjaro em beneficiar condições como doenças cardiovasculares, metabólicas e neurodegenerativas, como o Alzheimer. A regulação da glicemia e os efeitos positivos sobre o metabolismo celular podem contribuir para esses benefícios adicionais. 

Para quais perfis de pacientes o Mounjaro é mais indicado? Quem deve evitar esse medicamento?

DA: O Mounjaro é especialmente indicado para pacientes com diabetes tipo 2 que não alcançaram controle adequado com outras terapias, bem como para indivíduos com sobrepeso e obesidade que buscam uma redução de peso significativa. Gestantes, pessoas com alergia a análogos do GLP-1, indivíduos com histórico de pressão arterial muito baixa e aqueles com tendência a náuseas severas devem evitar o uso do medicamento devido aos possíveis efeitos adversos.

Qual é o regime de administração do Mounjaro e como ele contribui para uma melhor adesão ao tratamento pelos pacientes?

DA: O Mounjaro é administrado por via subcutânea, geralmente em uma dose inicial baixa que é ajustada conforme a resposta do paciente ao tratamento. Esse regime de administração oferece conveniência e flexibilidade aos pacientes, o que pode melhorar significativamente a adesão ao tratamento. 

Quais são os efeitos colaterais mais comuns associados ao uso do Mounjaro e como eles podem ser gerenciados?

DA: Os efeitos colaterais mais frequentes incluem distúrbios gastrointestinais, como náuseas, vômitos, diarreia e desconforto abdominal. Esses sintomas podem ser gerenciados com ajustes na dieta, como aumento na ingestão de fibras e líquidos, além de orientação médica para minimizar o impacto dos efeitos adversos. 

Existem precauções específicas que os pacientes devem tomar ao iniciar o tratamento com Mounjaro?

DA: É importante que os pacientes compreendam os potenciais efeitos colaterais do Mounjaro, como distúrbios gastrointestinais e mudanças na pressão arterial. O uso do medicamento deve ser acompanhado de perto por profissionais de saúde, especialmente no ajuste da dosagem inicial e na monitorização contínua dos efeitos terapêuticos e adversos.

Postagens Relacionadas